Escolhi Publicidade, mas só posso trabalhar em agência?

42

Duas das principais dúvidas dos aspirantes à graduação em Publicidade é se fazer o curso dá dinheiro e se é preciso ser criativo o suficiente para cursá-lo.

Logo descobrimos que a criatividade é um talento nato do ser humano e que precisamos apenas aperfeiçoá-la, e a faculdade tem papel crucial nesse desenvolvimento. Já sobre o futuro, entendemos que única coisa que dá dinheiro nesse mundo são pai e mãe, mas que é possível sim construir uma carreira de sucesso no mercado publicitário com muito esforço e dedicação.

A Propaganda brasileira é uma das mais premiadas do mundo e os cursos das universidades costumam dividir-se na graduação específica em Publicidade, com foco nas áreas mais comerciais do negócio (característicos de regiões onde o mercado é mais expressivo, como em São Paulo, por exemplo), e na formação em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda, onde se estudam as relações entre a sociedade e os meios de comunicação sem deixar de abranger as técnicas e práticas publicitárias.

Independente das ênfases de cada curso, algo que ambas as instruções costumam ter em comum é o estudo do Marketing, que nada mais é do que o entendimento dos desejos e necessidades do consumidor para melhor atendê-lo.

Chegamos assim ao momento de responder à pergunta do título.
Você, futuro publicitário, só pode trabalhar em agência?
Claro que não! E a Publicidade é tão encantadora justamente por sua ampla gama de áreas de atuação.

A zona de trabalho mais disseminada dos publicitários são sim as agências de propaganda, onde os profissionais podem trabalhar no Atendimento, Planejamento, Criação (redação e direção de arte), Produção, Tráfego, Pesquisa, Mídia e até nos mais recentes setores destinados às Redes Sociais.

Mas cabe lembrar aqui que a propaganda é apenas uma ferramenta do Marketing, área estratégica que engloba inúmeros instrumentos da comunicação, como merchandising, comercial, eventos e relações públicas, dentre outros.

E é agora que uma outra grande área de atuação dos publicitários vem à tona: os departamentos de Marketing das empresas.

Seja por economizar em não contratar uma agência ou até por tornar as decisões mercadológicas mais próximas da organização, as chamadas in-houses são verdadeiras agências internas nas instituições, com gerentes, analistas e assistentes de Marketing e até mesmo profissionais de imprensa contratados pela própria empresa, que acabam desenvolvendo quase todo o trabalho de comunicação, de sua concepção à execução.

A oportunidade de trabalhar nos departamentos de Marketing das empresas acaba possibilitando ao profissional a chance de tornar-se multifacetado, uma vez que, na correria do dia-a-dia corporativo, as demandas são múltiplas e exigem as mais diferentes habilidades para se desenvolver campanhas institucionais, promocionais e internas.

E diferente do que geralmente acontece nas agências de publicidade onde cada criativo tem sua função definida, é comum nas in-houses ver os mesmos profissionais que discutem e planejam as ações a serem desenvolvidas com a direção da empresa, elaborando roteiros de vídeo, fazendo artes das peças e negociando espaços com os veículos.

No entanto, as in-houses também podem fazer interface com outras agências, sendo apenas uma base para o desenvolvimento de campanhas, desenvolvendo pesquisas de mercado, análises de cases, etc.

E por último, mas não menos importante, muitos publicitários canalizam seus talentos em encarar a vida não como funcionários, mas sim como prestadores de serviços, vendendo às empresas sua capacidade criativa como freelancers, geralmente em trabalho home office.

Direitos autorais do vídeo: Matheus Santana